Aplicativo brasileiro ajuda a encontrar pessoas desaparecidas

A plataforma foi desenvolvida para ajudar na localização de pessoas desaparecidas e em breve poderá auxiliar a segurança pública nacional a criar um banco de dados oficial.

A ideia de criar o aplicativo Find People partiu de Johnny Hederson, de apenas 19 anos. Com a ajuda dos amigos Leandro Neves, 31 anos, Daniel Amaral, 22 anos, e Bruno Lira, 21 anos, fundou a startup IlhaSoft, responsável pelo desenvolvimento do app.
 
Hederson percebeu a oportunidade de criar o aplicativo após assistir a um programa de TV sobre pessoas desaparecidas. Isso foi há 5 meses, mas ele demorou um mês para levar a ideia aos sócios.
 
“Após diversas pesquisas, descobri que não havia nada parecido aqui na América Latina e só assim levei a ideia para os garotos e resolvemos por em prática. O app ficou pronto em Janeiro”, disse Hederson em entrevista a INFO.
 
O programa já possui 458 pessoas desaparecidas cadastradas, mas qualquer um pode inserir um novo registro. Basta preencher o banco de dados com informações como idade, nome, data de nascimento, foto e último lugar onde foi vista.
 
Ao receber um novo cadastro a equipe da startup entra em contato com o usuário para checar as informações. Ao verificar a autenticidade, a pessoa desaparecida é inserida no banco de dados.
 
Mas o programa não faz o acompanhamento dos casos e a ajuda nas buscas fica a cargo dos próprios usuários, que podem compartilhar as informações em redes sociais.
 
A inclusão dos dados e a pesquisa por pessoas desaparecidas podem ser feitas por meio de aplicativo para Android, iOS ou Windows Phone e pela plataforma web.
 
Mas pelo celular o programa fornece mais interação. O aplicativo traz recursos como mapa, que através de sua localização, exibe os desaparecidos que foram cadastrados próximo ao endereço onde você está.
 
Além disso, segundo Hederson, a versão 2.0 do aplicativo trará notificações, reconhecimento e envelhecimento facial para localizar pessoas desaparecidas com a ajuda da câmera do celular.
 
“Os novos recursos estão sendo trabalhados há 45 dias para serem lançados na versão 2.0 do app. Nosso plano é que essa nova versão seja colocada no ar no fim deste mês”, afirmou Hederson.
 
A iniciativa da startup, além de inovadora, poderá se tornar o principal banco de dados de pessoas desparecidas do Brasil, já que nosso país não conta com um sistema desses atualizado e integrado tecnologicamente.
 
“Teremos uma reunião em Brasília, na semana que vem, onde órgãos governamentais estarão estudando a possibilidade do projeto ser utilizado pela segurança pública”, disse Hederson.
 
Caso tenham sucesso na empreitada com o governo, Henderson e seus sócios da IlhaSoft pretendem informatizar o aplicativo e integrá-lo a órgãos públicos.
 
“Queremos interligar o app com os conselhos tutelares, delegacias e outros órgãos. Assim, quando um desaparecido for cadastrado em nosso sistema, medidas como aviso em aeroportos, rodovias e rodoviárias, poderão ser tomadas o mais rápido possível”, afirmou.
 
info.abril.com.br
Esta entrada foi publicada em Tecnologia e marcada com a tag , , , , , . Adicione o link permanente aos seus favoritos.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.